Categoria: crônica

Na saúde e na doença 

Há 5 anos, eu fiquei internada por quase 1 mês por causa de uma doença grave. Meu marido, então meu namorado, foi me visitar todos os dias. Todos. Quem já ficou internado sabe que o tempo não passa no hospital, que cada semana equivale a 1 mês. As visitas diárias dele marcaram minha rotina, me faziam ansiar pelo momento de ver e abraçar ele. Quando completamos 1 ano e 1 mês de namoro, eu ainda estava internada e ele não poderia me dar flores como de costume, porque o hospital proibiu. Ele me deu um monte de chocolates e um cartão desses que vendem em papelaria, com o tema de casamento, que são feitos para dar junto com o presente de casamento. Lá ele me chamou pela primeira vez pelo apelido que até hoje nos chamamos, Ssaura (ele é o Ssauro), que fez parte da nossa hashtag de casamento: casamentossauro. Nesse dia, passeamos pelo meu andar do hospital, nos divertimos, vimos desenho juntos… Ou seja, ele fez esse dia ser especial mesmo devido a essas circunstâncias.

291955_2063966042272_1812450534_n

Naquela época eu confirmei em meu coração que era esse o tipo de homem com quem eu tinha que passar o resto da minha vida, porque ele já estava colocando em prática o “amar e respeitar, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença”.

Hoje sei que eu poderia fazer de tudo, até doar a ele minha última gota de sangue, que eu jamais seria capaz de retribuir completamente tudo o que ele fez por mim naqueles dias.

Por isso eu digo: case-se com quem te faz bem. Com quem te quer bem. E com quem não fica ao seu lado apenas quando você está bem.

Angelina Jolie e Brad Pitt | Porque as pessoas piram com separações de famosos. 

Angelina Jolie e Brad Pitt se separaram e as pessoas estão numa grande sofrência por causa disso.

Angelina Jolie e Brad Pitt

E não é só com Angelina Jolie e Brad Pitt que esse “fenômeno” acontece, foi meio que assim quando Fátima Bernardes e William Bonner se separaram também. Isso só pra citar os casos de 2016…

Sempre que um casal de longa data se separa, começa a chuva de comentários do tipo:

– Ai meu Deus!

– E o amor?

não pode ser gif

– Não existe amor, mesmo!

– Se ELES se separaram, é porque não existe amor, as pessoas não ficam pra sempre juntas…

pfv-pare

Apenas pare e pense na besteira que é isso tudo.

Por que as pessoas se desesperam quando um casal famoso que elas nem conhecem pessoalmente e que não influenciam nada na vida delas se separa?

Vejam bem, uma coisa é ficar triste quando um casal que você conhece se separa.

Você acompanhou a vida deles, costuma sair com os dois, gosta de ambos, imaginava que ficariam juntos pra sempre…

E então entram três fatores:

1) Empatia: você sabe que as pessoas que você ama estão passando por um momento muito difícil.

2) Saber que agora as coisas não vão mais ser como antes. Se é alguém da família que se separa, por exemplo, sua irmã e seu cunhado, você sabe que provavelmente o contato com o cunhado vai diminuir. Se é um casal de amigos, sabe que vai ser bem difícil que todos se divirtam juntos novamente.

3) Lamenta que os planos e sonhos que eles tinham juntos não vão se realizar.
Notem que nenhum desses fatores entra naqueles comentários da sofrência que citei no início do post.
MAS você não chega a duvidar do amor, porque sabe que aquelas são pessoas reais, que essas coisas acontecem mesmo e que na vida de casal podem acontecer coisas que as pessoas de fora nem imaginam.

shit-happensMas porque a atitude das pessoas é diferente em relação aos casais famosos? Eles são pessoas de verdade, passam pelos mesmos problemas que nós (ok, talvez não os MESMOS, tipo, discussão por causa do boleto das Casas Bahia) e estão sujeitos a complicações psicológicas e à ação da entropia como todos nós.

A questão é que as pessoas projetam nos famosos o mundo ideal, aquilo que almejam para si.

– Se Angelina Jolie e Brad Pitt/Fátima Bernardes e William Bonner estão juntos há tanto tempo, eu também posso ter um casamento eterno.
Eles se separaram?

desperation gif
* Esse post exagera a respeito das reações das pessoas, óbvio. É normal apenas pensar “puxa, que pena, uma família tão bonita.”. Isso é empatia. Mas já vi cada coisa dita e escrita a esse respeito, que olha… quase que sou eu nesse gif.

Não, gente. Não.

Não é porque um casal consegue algo que você vai conseguir também.

E não é porque Angelina Jolie e Brad Pitt não conseguiram que você não vai conseguir.
A felicidade de um relacionamento depende única e exclusivamente da dedicação do casal para superar problemas. E isso é cumulativo: quanto mais os dois se empenham, mais o relacionamento tem chance de ir pra frente e mais fácil fica de superar problemas futuros. parece simples colocando dessa forma, mas não é.

the-struggle-is-real-gif

Além disso, já me disse minha madrinha de casamento (que é casada e feliz há muitos anos): o segredo de um casamento feliz é ter paciência… MUITA paciência. E ela me disse isso respirando fundo, mostrado que às vezes temos que tirar a paciência do umbigo pra conseguir seguir em frente.

Respira fundo e releva a peruca que o moço deixou no sabonete, amiga!
Respira fundo e releva a peruca que o moço deixou no sabonete, amiga!

E, ainda assim, pode ser que um dia o casamento acabe porque, mais uma vez, eu digo: pessoas são complicadas, conviver é difícil.

E se um casamento acaba depois de muitos anos de felicidade, de filhos bem criados, de trabalhos feitos com união e tudo mais: dá para dizer que ele fracassou? Não, o casamento apenas durou quanto tinha que durar.

Dá para dizer que não existiu amor? Isso só o casal pode dizer. O amor, se não alimentado, definha. Simples assim.

Não culpem o amor. Não acusem ele de não existir.

Então, como vocês podem ver, o que faz um casamento feliz e duradouro não é a possibilidade de isso acontecer com base nas histórias dos outros.

Os outros são os outros.

Faça a sua parte buscando ser uma pessoa melhor. Procure alguém que faça o mesmo.

Paciência. Equilíbrio.

Menos mimimi e mais conversas olhos nos olhos para esclarecer questões e resolver problemas.

Menos briga, mais compreensão.

Menos mágoas, mais perdão.

Pare de lamentar a separação alheia e veja o que você e seu/sua parceiro/a podem fazer para que o mesmo não aconteça com vocês.

E pare de projetar nos casais famosos o que você quer para si. Isso, por si só, pode matar seu casamento.

Sejam vocês mesmos o casal dos seus sonhos.

 

 

Vida a dois | 12 pequenas satisfações – e uma insatisfação

vida a dois

Há alguns anos, satisfação era ir no cinema toda semana, era ir em restaurantes diferentes e poder gastar a mesada ou salário com coisas inúteis. Ok, isso independe da vida a dois, porque hoje em dia isso ainda dá uma sensação de satisfação. Mas depois que você começa a viver a vida doméstica com seu cônjuge, você começa a notar que coisinhas simples e bobas dão uma satisfação tão imensa que seu coraçãozinho quase não aguenta.

12 pequenas satisfações da vida a dois.

  1. O cheiro da roupa limpa assim que sai da máquina e assim que você acaba de passar.
vida a dois
Assim como a moça da foto, dá pra quase chorar de alegria.

2. A louça quentinha e brilhante que acabou de ser lavada na máquina (sensorialmente é gostoso, além do fato de você não ter precisado lavar com suas próprias mãos).

vida a dois
Eu poderia listar os motivos de você ter uma máquina de lavar louças. Não só poderia, como vou. Aguarde o próximo post 😉

3. Ver a casa limpa e cheirosa depois de ambos trabalharem juntos para que ela esteja assim. Sério, faxina é chato de fazer, mas a sensação que fica depois é de casa e alma lavadas.

faxina gif

4. Ver a geladeira e a despensa cheias após fazer uma grande compra no mercado. Além da alegria de saber que não precisa voltar lá tão cedo, saber que tem muita coisa gostosa pra fazer é bem prazeroso – exceto para o bolso. Esse não fica feliz.

gif gretchen
Porque tem vezes que abrir a geladeira é como abrir as Portas da Esperança: você espera encontrar algo bom, mas só tem a Gretchen pulando. -q?

5. Abrir as cortinas da sala em uma manhã bonita e quase ficar cega de tanta claridade.

gif supernatural light

6. Fechar as cortinas da sala de tarde e curtir um aconchego com o marido.

Quinta do Bucanero Hotel de Charme
Melhor iluminação para uma soneca após o almoço.

7. Chegar de um dia de trabalho cansativo e aproveitar o Combo da Felicidade Suprema: marido+coberta+vinho+Netflix+gatos+cachorro.

now I could die happy gif
“O que está morto deve permanecer morto” é a única resposta aceitável caso alguém chame vocês dois para sair.

8. Dormir ouvindo o barulhinho do bebedouro dos gatos. Não é tão intenso como a do vídeo abaixo, mas já é muito gostoso de ouvir. A menos que você seja influenciável e tenha vontade de fazer xixi com esse som. Eu tinha, mas depois você se acostuma hahaha

9. Roupa de cama e de banho limpas e recém-trocadas.

gif sleeping
Isso se chama: FELICIDADE hahaha

10. Ver a cama arrumadinha.

como fazer a cama
Até os gatíneos gostam!

11. Ter uma comidinha fresquinha, recém-feita.

gif smelling food

12. Cozinhar um prato pela primeira vez e o marido elogiar, pedir que você o faça mais vezes. E depois de um tempo comemorar quando você diz que está pensando em fazer tal prato novamente.

gif i love you
Eu REALMENTE te amo.

E 1 insatisfação:

  1. Ir tomar banho e encontrar praticamente uma peruca no sabonete.

VIDA A DOIS

Leia +

Morando junto: os primeiros meses.

Não é fácil sair da casa dos pais.

Você passa a vida toda sonhando com o momento de ter sua própria casa. Nada contra os pais, mas em certo momento começa a vir uma urgência de ter um espaço só seu, mesmo considerando que você terá mais desvantagens (aka contas a pagar) do que vantagens. Mesmo assim, essa urgência só aumenta. Talvez seja o marco que indica que você já entrou na vida adulta.

Mas então chega o dia de sair de vez.

tumblr_m3em3aJoql1qc1ago.jpg
Fonte

Dizem que, uma vez que se saia da casa dos pais, é dificílimo caso um dia seja preciso voltar. Não como visita, claro, visitas são sempre felizes. Mas voltar a morar com os pais após já ter saído uma vez, dizem, é ainda mais difícil.

Mas ainda assim, sair da casa dos pais dói.

É aquele cafuné materno que que você não vai mais ganhar. É a falta de uma voz te lembrando que você ainda não jantou. É o aviso de que vai esfriar e você precisa levar um casaquinho. É a falta daquele olhar e daquele sorriso que só os pais sabem nos presentear.

É o seu quarto de menina sendo dura e subitamente substituído por seu quarto de mulher casada: 2 criados-mudos, 2 abajures, 1 cama de casal, 1 gaveta com cuecas e zero bichinho de pelúcia. É a responsabilidade de saber que precisa comprar papel higiênico. É saber que, agora, o adulto responsável é você (e seu marido/noivo/namorado, caso você esteja saindo de casa para morar com alguém).

É ter de se acostumar a reconhecer como “minha casa” um lugar ainda estranho, e a chamar de “casa dos meus pais” aquele lugar que até há pouco você reconhecia como seu lar.

Dói. Tem suas vantagens, momentos de alegria (para mim, escolher onde cada coisinha da minha casa irá ficar me ofereceu uma sensação indescritível), mas fisicamente, praticamente, dói. Porque é um cordão umbilical etérico sendo cortado de vez.

A pesquisa dele X a minha pesquisa | Causos dos noivos

Estávamos no sofá do apartamento dele.

Ele, de laptop no colo, pesquisando eletrodomésticos para nosso futuro lar.

Eu, de celular na mão, acompanhando a pesquisa com ele.

Mas sou geminiana, posso cair fácil na distração – de verdade, posso estar falando com você sobre Arquivo X e aí você menciona alguma coisa que me lembra outra coisa, que me leva a lembrar de outras X coisas… Que me leva a me questionar e pesquisar: quanto custa um pé de alface? Isso tudo em uma fração de 1 segundo.

Bom, me conhecendo há quase 5 anos e meio, ele tirou o celular da minha mão e o deixou do outro lado do sofá, para eu me focar na pesquisa com ele.

Até que houve um momento em que ele se levantou e foi para a cozinha, a fim de verificar a capacidade em litros do liquidificador da mãe dele, para ver se o modelo que gostamos tinha uma capacidade ok. Mas, de pirraça, ele levou consigo meu celular… Mas deixou o laptop no sofá.

Quando voltou, me flagrou mexendo. Foi ver o que eu estava pesquisando.

– Eu não acredito que, enquanto pesquiso coisas pra nossa casa, você está pesquisando isso!

Minha pesquisa:

Screen Shot 2016-02-22 at 1.56.04 PM.png

Porque eu queria ouvir isto:

 

Quem pode me culpar?

Life-a-a-Princess-merida-34917500-1920-804.jpg

Queridos amigos e familiares: não contem comigo nas próximas semanas.

Para ler ouvindo:

Sim, é isso mesmo o que eu disse. Não, não é fácil dizer isso. Vocês sabem que sempre puderam contar comigo para festas, saídas, comemorações, ajudas… Mas agora, a poucas semanas do casamento (e em fase de mudança de casa), entendam. Não tenho tempo disponível, por mais que vocês façam questão de minha presença. Todo o tempo que tenho fora do meu trabalho tem sido dedicado aos últimos detalhes do casamento e à mudança. 

Provavelmente vou perder aquele aniversário.

Provavelmente vou perder aquela pizzada.

Provavelmente não vou ter dinheiro para aquela viagem ou para aquela balada cara.

O tempo que sobrar, além daquele dedicado a “trabalho-casamento-mudança”, vai ser ocupado por um estado catatônico. Você quer um zumbi ao seu lado? Provavelmente não. E nem eu quero impor minha “presença-não-presente” a você. Eu também preciso descansar um pouco, senão não vou ter saúde no meu grande dia.

 Olha só: você reparou que minha tosse não passa há mais de um mês, mesmo os médicos falando que não tenho nada? Você reparou que tenho estado mais irritada do que o normal? Que tenho insônia quando preciso dormir e tenho sono quando preciso estar alerta? Não está sendo fácil para o meu corpo aguentar o tranco, imagina se eu ainda impuser a presença dele em eventos?

Por favor, entenda. Você sempre pôde contar comigo. Logo essa fase acaba e tudo volta a ser como era antes. 

Claro que depois terei outras tarefas, mas nada tão corrido e estressante quanto o momento que estou vivendo agora.

Amigos, se vocês são assim chamados por mim, tenho certeza de que vocês entenderão. Familiares: vocês também. Muitos de vocês já passaram por isso e sabem como é.

Por isso, até logo. Até breve.

Logo saio do estado Noiva Zumbi e volto a ser uma pessoa normal. prometo 😉

Não como outro “dia 23” qualquer. 

Hoje completamos 5 anos e 4 meses, mas esse é um dia 23 muito importante e especial: é o dia em que vamos dar entrada no nosso casamento civil.
Minha ficha ainda não caiu… Será que um dia vou entender que meu maior sonho aos poucos está se realizando?   

%d blogueiros gostam disto: